terça-feira, 15 de abril de 2014

Hoje mesmo você estará comigo no Paraíso!” (Lc 23,43)

O teu coração sem portas, sempre aberto,
que fácil é roubar-te o Paraíso!
Ladrões, todos nós,
Depredadores do cosmos, da natureza e da vida,
somente podemos salvar-nos assaltando-te, ó Cristo.
Em nosso “hoje” cotidiano,
Essa Misericórdia que jorra no teu sangue...

O teu suave assobio de Bom Pastor nos chama.
O teu coração reclama, impaciente,
a todos os marginalizados,
a todos os proibidos.

Tu nos conheces bem, e nos consentes.
Irmão de cruz e cúmplice de sonhos,
companheiro de todos os caminhos.
tu que és o Caminho e a Chegada!
(Dom Pedro Casaldáliga)

segunda-feira, 24 de março de 2014

Inovação na Gestão Eclesial da Escola Católica (ANEC)

Conferência proferida no Seminário das Mantenedoras da ANEC (Associação Nacional da Educação Católica). Nova versão, atualizada e ampliada, do material apresentado no Congresso de Gestão Eclesial.


sábado, 15 de fevereiro de 2014

Atitudes básicas dos evangelizadores

Na Carta Apostólica “A alegria do Evangelho”, o Papa Francisco aponta cinco atitudes básicas dos evangelizadores e da comunidade eclesial: tomar a iniciativa (primeirear), envolver-se, acompanhar, frutificar e festejar (EG 24). Veja o texto e reflita com seu grupo.

(1) Ir na frente, tomar a iniciativa (primeirear)
A comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor (cf. 1 Jo 4, 10), e, por isso, ela sabe ir à frente, sabe tomar a iniciativa sem medo, ir ao encontro, procurar os afastados e chegar às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos. Vive um desejo inexaurível de oferecer misericórdia, fruto de ter experimentado a misericórdia infinita do Pai e a sua força difusiva. Ousemos um pouco mais no tomar a iniciativa!

(2) Envolver-se
Como consequência, a Igreja sabe «envolver-se». Jesus lavou os pés aos seus discípulos. O Senhor envolve-Se e envolve os seus, pondo-Se de joelhos diante dos outros para os lavar; mas, logo a seguir, diz aos discípulos: «Sereis felizes se o puserdes em prática» (Jo 13, 17). Com obras e gestos, a comunidade missionária entra na vida diária dos outros, encurta as distâncias, abaixa-se – se for necessário – até à humilhação e assume a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo. Os evangelizadores contraem assim o «cheiro de ovelha», e estas escutam a sua voz.

(3) Acompanhar
Em seguida, a comunidade evangelizadora dispõe-se a «acompanhar». Acompanha a humanidade em todos os seus processos, por mais duros e demorados que sejam. Conhece as longas esperas e a suportação apostólica. A evangelização patenteia muita paciência, e evita deter-se a considerar as limitações.

(4) Frutificar
Fiel ao dom do Senhor, a comunidade evangelizador sabe também «frutificar». Ela mantém-se atenta aos frutos, porque o Senhor a quer fecunda. Cuida do trigo e não perde a paz por causa do joio. O semeador, quando vê surgir o joio no meio do trigo, não tem reacções lastimosas ou alarmistas. Encontra o modo para fazer com que a Palavra se encarne numa situação concreta e dê frutos de vida nova, apesar de serem aparentemente imperfeitos ou defeituosos. O discípulo sabe oferecer a vida inteira e jogá-la até ao martírio como testemunho de Jesus Cristo, mas o seu sonho não é estar cheio de inimigos, mas antes que a Palavra seja acolhida e manifeste a sua força libertadora e renovadora.

(5) Festeja
Por fim, a comunidade evangelizadora jubilosa sabe sempre «festejar»: celebra e festeja cada pequena vitória, cada passo em frente na evangelização. No meio desta exigência diária de fazer avançar o bem, a evangelização jubilosa torna-se beleza na liturgia. A Igreja evangeliza e se evangeliza com a beleza da liturgia, que é também celebração da atividade evangelizadora e fonte dum renovado impulso para se dar.
(Fonte: Papa Francisco, Alegria do Evangelho, nº 24)

Para refletir em grupo: Quais atitudes estamos cultivando na evangelização? Qual delas devemos desenvolver?

domingo, 2 de fevereiro de 2014

João Batista Libanio, grande mestre

Faleceu no dia 30 de janeiro de 2014 o Padre João Batista Libanio.
Poderia relatar seu longo currículo de:
- excelente professor de teologia,
- brilhante escritor de inúmeras obras,
- eficiente comunicador,
- disputado orientador de pós-graduandos,
- cativante evangelizador,
- bem-humorado e brincalhão,
- grande intelectual que passeava por distintas áreas do conhecimento,
- pensador que abriu caminhos novos na pastoral e na teologia,
- homem de extraordinária capacidade de síntese,
- místico,
- formador de muitas gerações de leigos, religiosos e presbíteros...

Mas hoje somente quero dizer que ele foi para mim (e continua sendo) o grande mestre, que me introduziu nas sendas de teologia, de maneira fascinante. Ensinou-me a pensar e a escrever, desenvolveu a minha capacidade de comunicação.

A ele, minha gratidão e respeito. Obrigado, mestre Libanio!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Mensagem do menino Jesus para as crianças pequenas e grandes

Meus queridos irmãozinhos e irmãzinhas,

Se vocês olhando o presépio e virem lá o Menino Jesus e se encherem de fé de que ele é o Filho de Deus Pai  que se fez um menino, menino qual um de nós e que Ele é o Deus-irmão que está sempre conosco,

Se vocês conseguirem ver nos outros meninos e meninas, especialmente nos pobrezinhos, a presença escondida do Menino Jesus nascendo dentro deles,

Se vocês fizerem renascer a criança escondida nos seus pais e nas pessoas adultas para que surja nelas o amor, a ternura, o carinho, o cuidado e a amizade  no lugar de muitos presentes,

Se vocês ao olharem para o presépio descobrirem Jesus pobremente vestido, quase nu e lembrarem de tantas crianças igualmente pobres e mal vestidas e sofrerem no fundo do coração por esta situação desumana e se decidirem já agora, quando grandes, mudar estas coisas para que nunca mais haja crianças chorando de fome e de frio,

Se vocês repararem nos três reis magos com os presentes para o Menino Jesus e pensarem que até os reis, os grandes deste mundo e os sábios reconheceram a grandeza escondida desse pequeno Menino que choraminga em cima das palhinhas,

Se vocês, ao verem no presépio todos aqueles animais, como as ovelhas, o boi e a vaquinha pensarem que o universo inteiro é também iluminado pelo Menino Jesus e que todos, galáxias, estrelas, sois, a Terra  e outros seres da natureza e nós mesmos formamos a grande Casa de Deus,

Se vocês olharem para o alto e virem a a estrela com sua cauda e recordarem que sempre há uma Estrela como a de Belém sobre vocês,  iluminando-os e mostrando-lhes os melhores caminhos,

Se vocês  aguçarem bem os ouvidos e escutarem a partir dos sentidos interiores, uma música celestial como aquela dos anjos nos campos de Belém que anunciavam paz na terra,

Então saibam que sou eu, o Menino Jesus, que  está chegando de novo e renovando o Natal. Estarei sempre perto de vocês, caminhando com vocês, chorando com vocês e brincando com vocês até aquele dia em que chegaremos todos, humanidade e universo, à Casa do Pai e Mãe de infinita bondade para sermos juntos eternamente felizes como uma grande família reunida.

                                    Belém, 25 de dezembro do ano 1.
                                    Assinado: Menino Jesus

(Autoria: Leonardo Boff)

domingo, 22 de dezembro de 2013

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

11/12/13

Os números tem sua magia. Hoje, 11/12/13 me inspira um caminho a fazer: processos, aprendizagem e conquistas. Passos após passos.

Aqui em Bogotá, estou num encontro de 12 pessoas, em torno da articulação entre fé e ecologia, mística e sustentabilidade, seguimento a Jesus e “Bem Viver”.

Somos de diferentes áreas de conhecimento: biologia, engenharia, educação, ecologia e teologia. Mais do que olhares transdisciplinares, buscamos uma visão sinérgica. Simultaneamente holística em sua pretensão e incompleta em sua realização.

Buscamos fazer uma ponte entre realidades geograficamente distantes, do Brasil e da Colombia. A tarefa de elaborar um livro de ecoteologia latino-americana nos desafia e nos encanta.

Na mente e no coração trazemos elementos da experiência vivida comunitariamente ontem: andar de ônibus e provas os avanços de mobilidade urbana, visitar o “Parque entre nuvens” e conhecer algumas plantas do ecossistema locail, caminhar pelo bairro popular Diana Turbai, conversar com a coordenação de “casitas bíblicas” e saber de sua bela história, escutar o testemunho de luta em defesa do rio fu-chi, revistar as hortas urbanas, compartilhar do alimento e da esperança que nos une.

Que o Deus da vida nos inspire e nos guie, para este serviço à Jesus e ao seu Reino, no horizonte do Bem-Viver! Amém.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Inovação na gestão eclesial

Partilho com você o tema que apresento no 9º Congresso de Gestão Eclesial.