domingo, 16 de dezembro de 2018

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Encontro da PJ de Belo Horizonte

Celebração de fina do ano de 2018 com a coordenação da Pastoral de Juventude da Arquidiocese de Belo Horizonte, na nossa casa da Betânia.

Teologias na América Latina

Refletimos sobre as múltiplas faces da teologia latino-americana, na pós-graduação da FAJE. Foi ótimo!

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Nota da CNBB no 2º turmo das Eleições

Jesus Cristo é a nossa paz! (cf. Ef 2,14)

O Brasil volta às urnas para eleger seu novo presidente e, em alguns Estados e no Distrito Federal, seu governador. Fiel à sua missão evangelizadora, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio de seu Conselho Episcopal Pastoral (Consep), reunido em Brasília-DF, nos dias 23 e 24 de outubro, vem ratificar sua posição e orientações a respeito deste importante momento para o País.

Eleições são ocasião de exercício da democracia que requer dos candidatos propostas e projetos que apontem para a construção de uma sociedade em que reinem a justiça e a paz social. Cabe à população julgar, na liberdade de sua consciência, o projeto que melhor responda aos princípios do bem comum, da dignidade da pessoa humana, do combate à sonegação e à corrupção, do respeito às instituições do Estado democrático de direito e da observância da Constituição Federal.

Na missão de pastores e profetas, nós, bispos católicos, ao assumirmos posicionamentos pastorais em questões sociais, econômicas e políticas, o fazemos, não por ideologia, mas por exigência do Evangelho que nos manda amar e servir a todos, preferencialmente aos pobres. Por isso, “a Igreja reivindica sempre a liberdade, a que tem direito, para pronunciar o seu juízo moral acerca das realidades sociais, sempre que os direitos fundamentais da pessoa, o bem comum ou a salvação humana o exigirem (cf. Gaudium et Spes, 76). Não podemos nos calar quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada” (CNBB – Mensagem ao Povo de Deus – 19 de abril de 2018). Inúmeros são os testemunhos de bispos que, na história do país, se doaram e se doam no serviço da Igreja em favor de uma sociedade democrática, justa e fraterna.

A CNBB reafirma seu compromisso, sobretudo através do diálogo, de colaborar na busca do bem comum com as instituições sociais e aqueles que, respaldados pelo voto popular, forem eleitos para governar o País.

Exortamos a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência, deve ser superada. Revistamo-nos, portanto, do amor e da reconciliação, e trilhemos o caminho da paz!

Por intercessão de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, invocamos a bênção de Deus para o povo brasileiro.

Brasília-DF, 24 de outubro de 2018

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador
Presidente da CNBB em exercício

Dom Guilherme Antônio Werlang
Bispo de Lajes
Vice-Presidente da CNBB em exercício

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Princípios para escolher o candidato no 2º turno

Dom Walmor, arcebispo de Belo Horizonte e seus bispos auxiliares divulgaram uma carta de orientação, com princípios para escolher bem o candidato no 2º turno. Leia e reflita com as pessoas.

Os cidadãos, na liberdade de suas escolhas, devem se orientar por critérios capazes de promover a justiça, a fraternidade e a solidariedade à luz do Evangelho de Jesus Cristo, que permite enxergar estes princípios:
1. Valorizar e promover a família, defendendo a vida em todas as suas etapas, da fecundação ao declínio natural, opondo-se à legalização e prática do aborto, ao uso das drogas e à pena de morte.
2. Cuidar dos pobres, por meio de políticas públicas efetivas, para combater a desigualdade social, a exclusão e todo preconceito.
3. Promover efetivamente a paz, tornando-a princípio intrínseco das políticas públicas e das ações de Governo, na contramão do discurso do ódio e da discriminação.
4. Garantir a liberdade religiosa e a identidade própria do Estado Laico.
5. Promover e comprometer-se, incondicionalmente, com o Estado Democrático de Direito, garantindo a todos a participação política e o acesso a direitos socioeconômicos e culturais.
6. Governar respeitando a autonomia e promovendo a harmonia entre os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, sempre a serviço do povo brasileiro, opondo-se a todo corporativismo.
7. Regulamentar - jurídica, técnica e politicamente - o cuidado da natureza, preservando o Planeta Terra, nossa Casa Comum, para superar a perniciosa idolatria do dinheiro e do lucro.
8. Acolher e respeitar as ricas diferenças que marcam a sociedade brasileira, combatendo a violência e tudo aquilo que a promove.
9. Combater, efetivamente, os esquemas de corrupção em todos os níveis e segmentos da sociedade para banir a depredação de valores ético-morais e do Bem Comum.
10. Respeitar a Constituição Federal, que determina em seu Art. 5º: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.”
CONVOCAMOS todos a adotar o horizonte educativo e iluminador do Sermão da Montanha -em Mateus 5, 1-7,29- que reúne princípios incomparáveis para qualificar a cidadania e reconstruir a sociedade brasileira.

Texto completo em: http://arquidiocesebh.org.br/noticias/dom-walmor-e-bispos-auxiliares-da-arquidiocese-de-belo-horizonte-apresentam-carta-sobre-as-eleicoes-2018/ 

domingo, 14 de outubro de 2018

PASTORAIS SOCIAIS DE BH SOBRE O 2º TURNO DAS ELEIÇÕES

Disse Jesus: "Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância" João 10,10

Diante deste conturbado contexto eleitoral brasileiro, marcado por violência e extremismos, nós, as Pastorais Sociais que atuamos na Arquidiocese de Belo Horizonte reafirmamos nosso compromisso com o Projeto de Jesus e com os princípios do Evangelho na defesa da vida para todos e da solidariedade com os mais pobres e os excluídos. A partir disso, apontamos reflexões e critérios para escolha dos eleitores neste segundo turno.

Jesus Cristo, em sua vida e ministério, solidarizou-se com os mais empobrecidos; trouxe para o centro de sua ação os excluídos; e valorizou e reconheceu o papel das mulheres numa sociedade machista.

A pregação de Jesus deixou claro que a centralidade era a vida e não o dinheiro, que todas as riquezas deveriam ser partilhadas, sem privilégios que geram injustiça. Sua ação e coerência suscitaram inimigos que se beneficiavam de um sistema político, econômico e religioso; jamais pregou a violência ou o ódio contra eles, mas praticou o perdão e os convidou à reconciliação.

Defendemos a família dos males da pobreza, da exclusão, da negação de seus direitos, para além de discursos demagógicos e oportunistas que desconsidera as realidades das pessoas.

Na sua paixão, Jesus se recusou a se defender com uma arma e recomendou a não-violência aos seus discípulos. Em comunhão com todos aqueles que defendem a vida e são perseguidos por sua luta por justiça, foi condenado, torturado e morto injustamente. 

Nós, irmãs e irmãos de Jesus, filhas e filhos do mesmo Pai pelo nosso batismo, temos a missão de encarnar e continuar seu Projeto hoje. O convite que fazemos aos cristãos, bem como a toda a sociedade brasileira, no atual contexto, é analisar com atenção sobre qual candidatura mais se aproxima dos valores e compromissos apresentados por Jesus no seu Evangelho.

Há dois mil anos atrás, Pilatos lavou as mãos e Jesus foi crucificado. Não podemos ficar em cima do muro: abstenção e voto nulo não é uma resposta ética e autenticamente cristã. Acreditamos que diante dos projetos em disputa, devemos escolher aquele que se aproxima mais do Projeto de Jesus, projeto de vida plena.

Que Nossa Senhora Aparecida, mãe, mulher, negra, trabalhadora, achada, quebrada, ferida e abraçada em sua imagen, primeira cristã, discípula missionária, nos ajude a viver a mensagem de Jesus!

Belo Horizonte, 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida

Pastoral Carcerária
Pastoral da Aids
Pastoral da Criança
Pastoral da Pessoa Idosa
Pastoral da Saúde
Pastoral da Sobriedade
Pastoral de Rua
Pastoral do Menor
Pastoral do Mundo do Trabalho
Pastoral dos Direitos Humanos
Pastoral do Surdo
Pastoral Metropolitana dos Sem Casa
Projeto Vida - Vida Projeto

domingo, 7 de outubro de 2018

Resultado das Eleições 2018

Quando a dor é muito grande
A gente se cala. Sofre.
Pensa no povo pobre deste país,
que vai sofrer mais durante quatro anos:
Mais violência, menos escolas
Mais concentração de poder, menos oportunidades.
Os poderosos soltam fogos, gritam, festejam...
E nós, perplexos...

sábado, 25 de agosto de 2018

Perspectivas para la Iglesia desde Medellín


1. Optar por una Iglesia comunidad, que evangeliza en diálogo con el mundo contemporáneo
(a) Promover la subsidiariedad, la colegialidad y el protagonismo de los laicos
(b) Celebrar una liturgia significativa e inculturada
(c) Priorizar la misión y no los intereses institucionales
(d) Realizar la acción pastoral simultáneamente en grupos/comunidades, eventos de masa y espacio mediático
(e) Asumir actitudes públicas de visibilidad profética

2. Colaborar para una sociedad inclusiva, equitativa y sostenible (presencia pública en vista de una nueva sociedad)
(a) Cultivar la dimensión comunitaria y social de la fe cristiana
(b) Dar el salto de calidad: del social para el socioambiental
(c) Multiplicar las pastorales sociales y los organismos que actúan en defensa de los pobres, por la justicia, la paz y la ecología
(d) Consolidar la REPAM (Red Eclesial Panamazónica)

3. Modificar la iniciación teológico-pastoral y espiritual en los seminarios y Casas de Formación
(a) Establecer los criterios de selección y aplicarlos
(b) Insertar la práctica pastoral como elemento constitutivo de la formación
(c) Considerar las diferencias étnicas y culturales, proporcionando una formación conforme al perfil de los candidatos y candidatas
(d) Reorganizar los cursos de teología, rompiendo el aislamiento y el "gueto eclesiástico"

4. Invertir en la formación de líderes multiplicadores de laicos y consagrados, en todos los niveles
(a) A partir de la Biblia, alma de toda la teología
(b) Lenguaje y metodología adecuados a cada nivel de la formación
(c) Vinculación de los conceptos con la narración y el lenguaje simbólico
(d) Combinación de la modalidad presencial con la Educación a distancia
(e) Acogida de las características propias de nuestros pueblos y culturas

5. Dar especial atención a las nuevas generaciones
(a) Destinar a los jóvenes religiosos, seminaristas y sacerdotes recién ordenados para estar cerca de la juventud
(b) Ofrecer diversas alternativas de evangelización, según los diferentes perfiles de los jóvenes
(c) Promover la catequesis como iniciación a la fe cristiana en comunidad, a partir de Jesucristo