sexta-feira, 15 de abril de 2011

José Comblin: tributo ao teólogo-profeta

Inicialmente, conheci José Comblin através de seus escritos. Quando eu tinha 17 anos, chegou-me às mãos um pequeno livro, intitulado “O enviado do Pai”. Era uma reflexão sobre o Evangelho de João: profunda, instigante e acessível. Da mesma forma, li também outro livrinho sobre Jesus no Evangelho de Marcos. Fiquei fascinado com ambos. E me perguntava quem era aquele autor.
Quando comecei a participar das CEBs e das pastorais populares, ouvi falar do Padre Comblin. Dizia-se que ele era um grande teólogo (embora de baixa estatura), que havia organizado um processo de formação teológica original para a realidade rural, denominada “teologia da enxada”. No correr dos anos de atuação pastoral e formação teológica, li outras obras de Comblin. Dentre elas, destaco “Tempo do Espírito” e “História da Teologia Católica”. Passei a admirar este homem, que demonstrava ampla cultura geral e grande capacidade de articulação de informação. Seu jeito de escrever tinha também uma crítica apurada e por vezes irônica.

Finalmente, depois de tantos anos, conheci Comblin pessoalmente num Encontro Intereclesial de Comunidades Eclesiais de Base. E me encontrei com ele outras vezes em Assembléias da SOTER (Sociedade de Teologia e Ciências da religião). Durante o Forum de Teologia e Libertação em Porto Alegre, ficamos hospedados no mesmo espaço, e então conversamos sobre muitas coisas. Uma delas, que me recordo bem, era a ênfase sobre a necessidade de formar bem o laicato cristão, como forma de ajudar a superar o centralismo e o clericalismo.
Uno-me a tantos teólogos(as) do Brasil, no momento de sua morte, prestando tributo a este grande pensador. Que seu espírito de profecia se difunda na nova geração de homens e mulheres que pensam sobre a fé cristã. Amém!

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Que ele descanse em paz, seu escritos continuam a impulsionar-nos a lutar por uma igreja justa e por um mundo melhor.

Maria Suely Palma Leitzke disse...

Tive o prazer de conhecê-lo no 15ºCongresso Eucarístico Nacional em Floripa. Deixou-nos um legado que deve ser refletido por todos que lutam pelo Reino.