sábado, 20 de junho de 2009

Frei Prudente Nery: o amigo

Hoje recebi uma notícia triste. Faleceu em Uberlândia (MG), nesta madrugada, Frei Prudente Nery. Perdi um amigo, um grande teólogo e meu orientador espiritual dos últimos anos. E o mundo perdeu um homem iluminado.
Lembro-me de seu bom humor, de suas observações originais e profundas. Com a voz suave, quase sussurrando, falava com o vigor e a liberdade dos profetas bíblicos. Como filho de São Francisco, amava a simplicidade, a vida escondida, a discreção, o ambiente familiar.
Ao mesmo tempo, transitava com facilidade por distintos saberes: a teologia, a filosofia, a psicologia, a antropologia. E nisto residia o prazer daqueles que o ouviam. Prudente jamais se repetia ou caia em “lugar comum”. A ele cabia uma originalidade sem par. A palavra que iluminava, desvelando a presença de Deus no cotidiano, nas buscas humanas. Uma admirável síntese do rigor alemão com a fluida poesia.
Faz algum tempo, Prudente deixou uma meditação sobre a morte. Esta mesma “irmã morte” que pai Francisco recordou ao final do Cântico das Criaturas. Dela seleciono o último parágrafo. Certamente, agora, Prudente experimenta o que poeticamente anteveu.
"Quando chega o inverno no hemisfério norte, sem que ninguém os instrua, os pássaros erguem-se espontaneamente aos céus em incrível aventura. Conduzidos por um misterioso legado de sua espécie, seguindo apenas os pulsos magnéticos da terra, eles voam, pelas trilhas do sol, milhares de quilômetros, noite e dia, à busca apenas de permanecer na vida. Assim há de ser também conosco, quando, no crepúsculo de todos os outonos, cair sobre nós o frio do inverno. Carregados, então, pelo fascinante destino de nossa espécie, nós voaremos, seguindo apenas os acenos da eternidade, rumo à morada da luz, o coração de Deus. E aí saberemos o que, agora, apenas intuímos e, ouvindo Jesus Cristo, o Caminho, a Verdade, a Vida, cremos: Não existem dois reinos, o reino dos mortos e o reino dos vivos, o reino da terra e o reino dos céus, mas apenas o Reino de Deus, que quis que fôssemos eternos".

4 comentários:

Francisco de Assis disse...

Tive a alegria de ouvir suas palestras, no ISTA, acompanhar suas reflexões na internet. Realmente um homem iluminado por Deus. Inspiremos em seu exemplo.

Padre Mauro disse...

Também fui seu aluno. Recebo com profunda dor a noticia de sua "emigraçao invernal". Frei Prudente marcou minha historia, ajudou-me a definir quais caminhos deveria seguir.

Marcelo Marins - OFMCap disse...

Oh Murad, suas palavras sintetizam o que percebíamos de Frei Prudente.
Fico muito agradecido por seu apoio e amizade, neste momento. Ficamos mais pobres e órfãos.
Porém, o próprio Prudente dizia: "a morte é apenas um breve adeus, e um dia nos veremos todos e nos teremos num eterno abraço."

Roberto Mendes disse...

Meu nome é Roberto. Fui seminarista salesiano e Missionários da Sagrada Família, em Belo Horizonte. No tempo da filosofia, tive o prazer de ter Frei Prudente como professor no ISTA. Tenho certeza que ele mudou e muito, sem o saber, a minha forma de ver o mundo. Nas aulas, poderíamos ficar horas e horas sem anotar nada, apenas nos saboreando com as palavras e ensinamentos desse grande mestre. Com ele, aprendi o lado humano da religião, aprendi a enxergar com atenção o Cristo-homem, o Cristo-vivo, que se faz em nosso meio. Tristeza foi pouco quando fiquei sabendo da sua morte. Perdemos um grande homem e Deus recebeu com alegria um grande filho. Nesta semana que comemoramos o dia do professor, fica aqui o meu registo, amigo e mestre Frei Prudente. Obrigado por tudo o que me ensinou, em palavras e em exemplos. Seu eterno aprendiz, Roberto Mendes. historia.rmendes@yahoo.com.br